terça-feira, 27 de julho de 2010

Pior para os fatos



— Alô, Nelson? Oi Nelson, é já amanhã!
— Gustavo... eu sei, Gustavo. Já havias me dito.
— Ah, desculpa a insistência. É que mandei um e-mail e o senhor não respondeu. Achei que nem visse os e-mails, que nem ligasse para essa coisa de informática.
— De fato, não vi mesmo. Nem sei usar aquilo. Foi o Armando... o Armando que leu para mim. Ele entende mais dessas tecnologias. Já eu, eu sou um imbecil de babar na gravata. Um quadrúpede de 28 patas!
— Não importa, Nelson. Já sabes: é amanhã! Amanhã! Vais lá estar?
— Não posso.
— Mas...
— Eu sei, eu sei. Dirá que o trabalho é sobre mim. Ou sobre as minhas crônicas. Vocês, jovens, são uns cretinos fundamentais, têm o hábito de se acharem importantes. O jovem só pode ser levado a sério quando fica velho. O trabalho não é sobre mim, é sobre os personagens que descrevi.
— Eternizou, eu diria. Graças à sua capacidade perpétua de admirar-se.
— Juntei o que os idiotas da objectividade teimam em separar.
— Jornalismo e literatura?
— Não. Esporte e teatro. O jogo e a alma. Em futebol, o pior cego é o que só vê a bola.
— És mesmo um monstro moral, Nelson! Podes não estar presente na sala, mas vai ser como se estivesse. O estudo foi muito gratificante. Só espero que tire uma boa nota. Se eu não conseguir...
— ... se não conseguir, pior para os fatos!

3 comentários:

Sandryne Barreto disse...

Gu, eu tenho certeza que você vai se dar muito bem. Estarei torcendo e mentalizando boas energias para que não te massacrem tanto...rsrsr! Faz o que tu viestes fazer há dois anos nesse D´além mar e encerra esse ciclo com algo que transborda em você: paixão! Grande beijo.

Leandro Afonso Guimarães disse...

Gustavo, Nelson está feliz.
Tenho a presunção de dizer isso, mas a presunção é toda graças à alma de seu texto.
Não tem como não dar certo.
Sucesso, cara.

Diogo disse...

Manda ver nos fatos também, Gustavo, esfrega na cara deles!!! (Ou será que você já mandou e eu escrevi atrasado?)