terça-feira, 1 de junho de 2010

O melhor sítio de sempre. De sempre!


Chama-se Príncipe Real. De rimas fáceis e óbvia nobreza. Parte alta da cidade de Lisboa. Com um grande jardim, bons cafés, mulheres bonitas e proximidades. Perto do miradouro com uma das mais belas vistas: o de São Pedro de Alcântara. Perto do Bairro Alto, recinto da boemia e da juventude.

Mudar para um lugar desses, recheado de predicados positivos, de clima leve e revigorante, foi o melhor que podia me acontecer neste momento. Caminho pelas ruas de uma Lisboa ensolarada e viva sentindo que o Inverno, em mim, aos poucos cessa.

Sim, continuam as dúvidas, é verdade. Seguem os sonhos aparentemente inviáveis. As múltiplas vontades, os devaneios vários, o desejo sufocante da urgência. O tempo foge, urge, voa. Mas há de se pescar luz com paciência, como referiu Neruda.

Por enquanto, para ordenar minhas desordens – será que devem ser ordenadas de alguma maneira? – respiro o ar do melhor sítio de sempre. Onde inicio mais um recomeço. Coisa que nunca consigo me desvencilhar é de esperança. E será isso uma qualidade sublime ou um defeito ridículo?

2 comentários:

Helena disse...

A minha aposta vai para qualidade sublime.
Bons momentos nessa tua nova morada :)

Sofia Rodrigues disse...

Exijo um churrasco! Tenho dito.