domingo, 13 de junho de 2010

A Copa do quarto - 2

É da Alemanha que vão todos falar. Pelo menos até a estreia de Brasil e Espanha. A Itália joga nesta segunda-feira, mas duvido de uma atuação brilhante dos atuais campeões mundiais. A Azzurra está fraca: com Buffon, Cannavaro e Pirlo longe do que eram em 2006.

Mas é da Alemanha que tenho de comentar. Podia ser da Argentina também, caso tivesse assistido à estreia contra a Nigéria. Não vi, então prefiro ficar quieto. Ah, da Inglaterra eu vou resguadar-me. Nunca confiei no English Team de Fabio Capello. Sei lá, falta alguma coisa ali, algum tempero. Rooney é a andorinha que não faz verão – sou fãzaço dele, é bom que se diga.

É, afinal, sobre a Alemanha que vou escrever hoje. Por consequência, da Austrália também. Os cangurus foram de uma passividade de zoológico. Está certo que Klose e companhia diminuíram os espaços na defesa e movimentaram muito bem na frente. O gol aos oito minutos ajudou. A expulsão no segundo tempo ainda mais – selando os 4-0.

A Alemanha foi eficiente. Foi, além de tudo, agradável de se assistir. Diferente do que costuma(va) ser o futebol germânico. Deu gosto, principalmente por Lahm, Podolski e Özil. Porém Sérvia e Gana continuam a ser as outras forças do grupo. Ou seja, é melhor conter tanta efusividade.

Um comentário:

Sandryne Barreto disse...

Pois é, não foi só pela goleada que os germânicos convenceram. Foi pelo passeio em todo o campo. Eu gostei da atuação da Argentina, mesmo, só que do meio campo pra frente. Tá aí a diferença. Amanhã tem Itália, Holanda...vamos lá!