quarta-feira, 19 de maio de 2010

Fatídico 18


Eu tive uma terça-feira para ser ceifada, dizimada do calendário, esquartejada em minutos e enterrada ao longo de um milhão de anos. Foi um daqueles dias em que você não deveria se levantar. Melhor: não deveria nem mesmo despertar para a consciência – dormir 24 horas seria a salvação.

Batizei de Fatídico 18. É uma boa combinação de letras e algarismos. Sei que vou rir do turno amaldiçoado, mas passada apenas uma jornada, restrinjo-me ainda a sentir o misto de confusão, desmotivação e raiva. Ai dos abutres otimistas, aqueles típicos arroz de festa que surgirem com discursos positivistas e cheios de esperança. Pior que isso só os que argumentam:

– Nossa, tanta gente passando fome, sem teto e tantas outras mazelas no mundo que você devia agradecer por ter saúde, por isso, por aquilo, blá blá blá...

É nessas horas que penitencio-me em silêncio: maldita ânsia de partilhar! Devia lembrar sempre de Quintana e seu sábio ensinamento: “O pior dos problemas da gente é que ninguém tem nada com isso”. Fatídica verdade.

Um comentário:

Mary Jo disse...

Porque há dias assim. Mas depois há outros em que o sol brilha não é??

=D

kiss*****