terça-feira, 27 de abril de 2010

Cada um na sua greve

Os transportes coletivos de Lisboa resolveram parar hoje. É dia de greve geral, mas nem tão geral assim – o metro funciona. Autocarros, comboios e barcos permanecem desligados nos terminais, estações e cais.

Estou completamente safo de transporte para ir ao trabalho – que é a minha única incumbência neste momento. Moro a cinco minutos a pé: basta descer, descer, descer, virar à esquerda, seguir, esquerda de novo e pronto. Não tem atraso nem cansaço. E digo mais: é o melhor que se faz.

Em Floripa vivia a 15 minutos. Ia e voltava caminhando, salvo em dias de chuva. Daí pegava o Palio vermelho. Mas sempre clamei, em Brasília principalmente, pela espontaneidade de chegar aos lugares como bem entendesse. Em ter opções. Lisboa é assim.

Hoje, com a greve, pode-se até notar uma certa dependência aos transportes. No entanto, se assim quiser ou mesmo for preciso ir a algum lado mais remoto, dá para se virar bem. Não apenas porque o metro está aberto, e sim porque bater pernas é acessível, saudável e divertido. A cidade permite isso...

... ainda mais que Primavera resolveu dar o ar da graça.

2 comentários:

Sol disse...

E como o calor é gostoso e sol revigorante...e vamos perambular pelas calles niño!

Mary Jo disse...

Nem senti a greve.. ahahah

kiss***