sexta-feira, 22 de janeiro de 2010

Talvez, talvez, talvez


Talvez tenha tanto medo do futuro que refugio-me no presente. Talvez confunda sentimentos, invirta desejos. Talvez não saiba aquietar esta saudade de algo ainda a acontecer. Talvez seja urgente, talvez acomodado.

Talvez meu ceticismo atrapalhe quando olho para o outro. Talvez seja muito influenciável. Talvez conserve tanto amor e fique atrapalhado em dobro. Talvez espere você, talvez espere a mim. Talvez caminhe apenas num trecho com espinhos.

Talvez tudo dê certo. Talvez nada. Talvez o que escreva ganhe nome. Talvez o meu nome ganhe arte. Talvez nunca regresse. Talvez sempre reparta-me. Talvez o tempo me engula, talvez as horas me lambam. Talvez eu saiba o que faço – mas disso tenho certeza que não.

Talvez um novo encontro. Talvez velhos adeuses. Talvez realize uns sonhos, talvez frustre bons planos. Talvez acerte na intensidade, erre na dose. Talvez o mundo me engane, com seus grandes olhos de espanto. Há de saber desapegar-se de tudo exterior.

Ou talvez isso não seja viver. E perca tempo pensando. Quiçá.

3 comentários:

Jehoel disse...

Tu és teimoso que nem uma mula, como se diz em bom português cá da Europa! Já te disse que a tua inquietação só vai começar a diluir-se quando encontrares um propósito espiritual para a o teu Rumo. É "só" isso que te falta, e quando acontecer tudo mudará. Repara, há uma diferença fundamental entre Viajar e simplesmente andar por aí ou fazer turismo. É esse o passo a dar. Falou o teu Amigo. Um Abraço e até breve

Andréa disse...

Oi Gustavo!!
Há dias venho percebendo essa sua inquietação. Talvez a proximidade do retorno ao Brasil seja uma das causas, talvez o fim da pós e a surpresa (e as incertezas) do que virá depois também te causem esses sentimentos tão confusos.
Mas não importa o que seja. O Interessante é que todas as respostas - absolutamente todas - estão dentro de você.
aliás, como disse o colega aí de cima: "Repara, há uma diferença fundamental entre Viajar e simplesmente andar por aí ou fazer turismo. É esse o passo a dar."
Beijo grande da sua leitora fiel,
Andréa

Gustavo Jaime disse...

Joel, meu guru, não brigues comigo. Estou a caminho de melhorias... lentas, mas permanentes. Passei por uns desafios do coração e sabes que tenho este jeito muito sensível e "fraco" de lidar com as cenas do coração: ou seja, a quantidade de amor que carrego às vezes confunde-me. É uma longa história que perdi a chance de contar-te ao vivo, caro amigo. Uma pena... mas a vida segue.

Andrea, obrigado pelo carinho de sempre e ler as suas palavras sempre ajudam a acalentar este rapaz de barba crescida e dúvidas tão infantis. Acho a vida uma coisa divina, bela e pura... pena que isso gere medo também. De machucar-se, de deixá-la escapar, de sofrer demais por sentir demais. Um beijo tenro. És um anjo!