sexta-feira, 15 de janeiro de 2010

Estreia na neve*


Dizem que os esquimós enxergam 18 tipos de branco. Francamente, acho esquisito. Se for relacionar ao princípio básico e natural do homem ocidental, o de só distinguir 16 tonalidades, os esquimós extrapolam a cota. Fúcsia, coral, lavanda, salmão, jambo... isso é tudo invenção feminina – e de quem desenvolveu os papéis de parede.

Mas os esquimós, é verdade, residem num outro mundo. Enxergam este tanto de branco e sabem diferenciá-los. Já eu verei a neve pela primeira vez no fim de semana. E devo vê-la na mesma escala de cor do fundo da tela do Word ou do guardanapo na cozinha.

Neve talvez seja uma areia gelada. Ou então um gelo mais mole. Está mais para não ser nada disso que tento supor ser. O fato é que vieram-me duas curtas lembranças agora.

Estou com 26 e vou estrear na neve. Tudo bem, a maioria dos brasileiros nunca teve contato e talvez nunca tenha. Mas meu pai, veja só, foi conhecer o mar com 17 anos. Morava no interior de Goiás e o litoral era para dias e dias de viagem num Ford Rural.

Já o Daniel, amigo pernambucano de Lisboa, foi tão ávido na sua primeira vez na neve que teve a vontade que todos nós temos: destruir um daqueles bonecos gordinhos, impecáveis, de filme americano. Tomou distância, preparou a corrida e voou no gélido objeto.

O alvo manteve-se intacto. Quem desabou foi o Dani. E então ele viu um tonalidade do branco que nem os esquimós conhecem: aquela em que tudo fica escuro.

* Este texto esteve pronto antes da hora e, no último momento, confirmou-se que não iríamos mais à Serra da Estrela. Fiel à escrita – e sem ter qualquer outra ideia para postar aqui –, decidi manter opção inicial. Agora minha estreia será apenas aos 27 anos. Assim espero.

Um comentário:

Sandryne disse...

Eita, Gustavo...que pena. Aya me disse que vocês iriam pra Serra. Imagino que foi o frio excessivo que atrapalhou não é? E essa história de Dani, tive uma crise de riso lendo isso...eu não sabia. Abs.