sábado, 5 de dezembro de 2009

Aquele saber ao vazio

Eu não tenho jeito. Eu não consigo escapar das minhas ilusões, não consigo acomodar em minha inquietude, não consigo suspirar sem o peso de 100 toneladas. Eu não tenho jeito para agir, eu sonho sem critério e adormeço com esperança.

Eu não desaprendo, não me desprendo das amarras, nem destempero. Vivo a coordenadas exatas – que tolice! –, com métodos ineficazes de ser eficaz. Eu não tenho tempo, mas o tempo me tem. Me aprisiona, enquadra, me leva, me deixa. Fecho os olhos tentando encontrar o que nunca soube o que é.

Eu não permito. Escondo qualquer sentimento por detrás do medo. E se aconselho, se partilho, se me exponho... é por minutos, não mais. Eu necessito de alguém, ainda que pareça me virar muito bem sozinho. Mas não tenho jeito para pedir, para chegar, para sorrir e fluir.

Eu não utilizo o sim com facilidade. Impeço logo no começo, porque é mais seguro que abdicar depois. Receio e arrependo. Esqueço e reprometo. Redefino e sigo na mesma. Enquanto a vida passa. Não tem graça essa lamentação – nem traz nada.

Eu não sei. Simples assim.



4 comentários:

Anônimo disse...

Can I save?

Gustavo Jaime disse...

Quem é você?

Luciana Lopes disse...

´´Eu necessito de alguém, ainda que pareça me virar muito bem sozinho.´´
Com essa frase cvocê simplesmente conseguiu traduzir o coração de várias pessoas, inclusive o meu.
Nem tudo é tão simples, nem tudo é complexo, basta vê quem os vê e pronto.

O Natal está chegando e eu queria muito pedir para Papai Noel para poder conhecer mu ídolo. E aí, será que o Bom Velhinho me dará esse presente em 2010 ou será que esse ídolo vai impedir de me aproximar?
Excelente semana Gustavo.

danielle disse...

nossa, gu! amei o short film. como vc disse, faz a gente dormir com esperança e sonhar. desta vez confesso que compartilho do seu sentimento. bjs e saudades