terça-feira, 24 de novembro de 2009

Diria que é um guia (Parte 1)

Já há muito queria iniciar uma espécie de Guia de Lisboa para os viajantes-aventureiros. Queria iniciar, mas não tinha um mote. Ou tinha um mote, mas transbordava preguiça. Agora as desculpas esvaíram-se...

Uma amiga veio, recentemente, perguntar sobre a vida em Portugal. Quer cursar um mestrado na Europa e oscila entre a pátria de Camões e a Inglaterra. Se ela já não tivesse lá morado, não hesitaria: “vá para a Londres!”, bradaria. Mas a terrinha tem seus inúmeros encantos – também tem inúmeros enganos.

Pois ao longo dos nossos e-mails trocados, vou atualizando o blogue com minhas impressões, ideias, sensações e experiências. Afinal, foi para isso que este espaço nasceu. E é assim que ele ainda sustenta-se de pé. Ainda que cambaleante.

Enfim, sem mais delongas, vamos ao seu impasse: Inglaterra ou Portugal. Aqui tem alguns pontos fundamentais a se pesar, para além da área académica. O custo de vida é um deles. Portugal (e aqui falo de Lisboa, que por ser capital é mais "cara") é um país muito barato de se viver. Não sei se tens interesse de trabalhar ou se vens com uma grana já. Mas de um jeito ou outro, consegues arrumar um quarto em conta (desde 150€ – sem despesas – a 300€ – com tudo incluído) e bem localizado. A parte de alimentação é acessível e consegue-se viver bem com 500€.

Se quiseres um apartamento, aí vai precisar de um pouquinho mais de dinheiro. Mas nada muito além. Há estúdios ou T0 por 350€ a 500€, sem as despesas de água, luz e gás. Os transportes são simples se viver na parte "histórica" de Lisboa. Quanto à universidade (a minha é a Nova), acho-a um tanto bagunçada. Essa é a parte ruim do mestrado: e por pior que pareçam as nossas instituições públicas de ensino, aqui parece que a desorganização é maior.

O conteúdo, em si, é interessante. Mas há uma "teorização" exorbitante. Explico: nossa linha de estudo está mais voltada para a norte-americana, agregando a parte teórica à prática. Temos essa valorização do "fazer", enquanto eles aqui estão muito focados somente na "investigação". Poderás pensar que um mestrado é exatamente isso. Concordo. Porém, às vezes há qualquer coisa de muito utópico e, pior, de muito "circular". Para quem já está no mercado de trabalho parece tudo uma grande volta sem propósito.

Um comentário:

Marco Tulio Chaves disse...

Passei pra deixar um alô - confesso que há tempos não visito seu blog. Até mesmo a turma da CEF nunca mais vi. A vida é assim, imagino.

Devo voltar pro velho continente em janeiro, defender a minha tese que foi enviada e só falta marcar a data. Se esticar pras suas bandas, procuro contato.

Espero que esteja aproveitando a experiência. Vale a trabalheira e a saudade, posso garantir.

Abração e tudo de bom!!