domingo, 11 de outubro de 2009

Um sábado espetacular


Será mais simples do que devia, mais rápido do que gostaria... porém, ainda assim, serve de registro para a posteridade – não é este o intuito superior do blogue?

Vivi um sábado espetacular, balanceado entre boas parcerias e um jogo de futebol. Durante o dia tive a agradável companhia de uma nova amiga. Ela é arquiteta, ela é francesa e passeamos por Estoril e Cascais a deslumbrar-se com as histórias dos lugares e os lugares das histórias.

Essa troca de cultura aumenta a burrice de maneira sadia. Ou diminui a ignorância a conta-gotas. Quanto mais interagimos com o mundo, menos o inteiramos. Ficam partes soltas de eloquência momentânea, perdidas nesse silêncio do indescoberto.

Desculpem os fracos neologismos. O fato é que renovou-me, mais tarde nesse sábado completo, o duelo entre Portugal e Hungria pela eliminatórias europeias da Copa do Mundo. Assistir a uma partida no estádio (neste caso, o da Luz) é divino. Ou ainda: é uma recompensa dos deuses.

Acredito mesmo que lá esteja contida toda a essência humana. E o que é a massa misturada, aquelas individualidades confundidas, a multidão em harmonia? Arrepia. A minha pobreza de descrição, faz-me repetir: ARREPIA. Com todas as letras enormes para saber que não é figura de linguagem.

Ser contemplado com um dia assim mudou o meu dia seguinte. Ainda mais que hoje revi meus pais – após um ano. E Lisboa ganhou novas paixões nessa minha (a contragosto) estável trajetória recente. Porque como disse um professor meu, em certa aula do mestrado: “A paixão é a única coisa que importa na vida”.

Andava a sentir falta de (re)apaixonar-me por qualquer coisa que seja.

Um comentário:

Paulo Graça disse...

Fico feliz de saber que vc está tendo dias lindos assim.
Bj