sábado, 25 de julho de 2009

Seguir ou voltar?


Ela disse-me que eu era o sujeito mais nómada que conhecia. Hoje pego-me em um novo dilema: seguir ou voltar. Tenho essa incerteza presente quanto ao futuro. Porque ouvi de uma boca desconhecida que o que me faz fugir nunca me abandonará – por mais longe que eu vá.

E será mesmo que fujo? Ou será que busco? Rubem Braga já encarou esse enigma, mas não soube desvendá-lo. Prefiro crer em Rilke: "Não procure agora respostas que não lhe podem ser dadas porque ainda não as pode viver. E tudo tem de ser vivido. Viva agora as perguntas. Aos poucos, sem o notar, talvez dê por si um dia, num futuro distante, a viver dentro da resposta."

Continuar. Parar. Aos 26, as minhas andanças estão em causa. E repito a todos – a mim, mais que a todos – que ainda restam-me quatro anos para desbravar o mundo. Ao menos este mundo que se abre diante de mim, com as chances que crio. Somente uma coisa é capaz de aquietar-me: o amor sincero de uma mulher.

Talvez eu seja um sonhador – e os tempos são difíceis para os sonhadores. Talvez eu seja um romântico – e o romantismo é tão demodé. Talvez eu seja um aventureiro – e em todo aventureiro há um coração perturbado. Posso ser qualquer coisa, carregar um arquétipo, completar um grupo... nada disso me importa.

A vida é demasiada pueril para gastar com pensares e sofreres. Busco o equilíbrio exato entre os sabores e os saberes. Pois escutem: de nada adianta ter a oportunidade; é preciso mergulhar nela. Enquanto meu corpo aguentar, minha mente mantiver sã e minhas emoções não ruírem, sigo na estrada...

... à espera sem-espera que ela cruze o meu caminho.

2 comentários:

Andréa disse...

Gustavo,
o amor não está demodé. Nunca esteve, muito embora as pessoas queiram deixá-lo em desuso.
Também acredito que em qualquer estrada possamos encontrar um parceiro, daqueles pra vida toda (ou, pelo menos, para boa parte dela).
Talvez esse seja o mal de nós, românticos, acreditar ainda nas pessoas e no amor.
Por isso eu afirmo: all i need is love!!
Beijão e obrigada pelo seu primeiro comentário!! Fiquei deveras feliz com a suspresa!!
Andréa

Juliana Toledo disse...

É Gustavo... a espera nos rouba o tempo!
Falar de amor é sempre polêmico. Gosto quando diz que "de nada adianta ter a oportunidade; é preciso mergulhar nela". Parece que a todo momento temos várias, mas só conseguimos percebê-las quando elas já nãos nos pertence mais.

Parabéns pelo blog! Seus textos, como sempre, FANTÁSTICOS!

Um forte abraço,

Juliana Toledo