sexta-feira, 3 de julho de 2009

*Pausa*

Este blogue tem perdido um pouco o sentido de ser. Por isso, uma pausa.

6 comentários:

Anônimo disse...

Hã.... não. Parar pra que? A vida não tem pausas, então o sentido deste blog também não.
Continue !!!!Continue!!! Continue!!!

Gustavo Jaime disse...

Tens razão, caro(a) Nonô*... a vida não tem pausa, mas como a escrita pouco - ou em nada mesmo! - se relaciona com a vida, podemos pausá-la a qualquer momento. Nunca perco de vista o sábio Pessoa: "Mover-se é viver, dizer-se é sobreviver."

No mais, as coisas esvaziam-se de propósito quando são feitas sem "autenticidade". Digamos que houve certa desvirtuação do que este blogue é, então tomo ar sabendo que a revigorante escrita às vezes sufoca.

* Como alguém faz um pedido e não assina? A curiosidade matou o gato... mas...

Anônimo disse...

Espero que só tenha matado o gato.hehhehehehhe

Uma vez li num blog que a escrita era para um certo escritor quase como viver e respirar. Ele dizia assim:

"A escrita descasca-me. Uso a escrita para lamentar, comemorar, descrever, agrupar e dissolver." VIVER!!!

"Com as palavras me envolvo de vazio, transponho distâncias, encosto a mim."

"Por isso escrevo para calar-me. E quando quero falar, falo melhor pela escrita. Se tenho vontade de trancafiar o texto é porque o pretexto de dizer-me também cansa. Enfim, escrevo para expressar esse algo inexpressável" A VIDA.

Eu pensava que esse escritor assim como Paulo Leminski: Escrevesse porque era preciso.

Mas se ele mudou de idéia e já não lhe apetece ser lido.

Aceito, mas não compreendo.

Gustavo Jaime disse...

Mas ninguém disse que parei de escrever... ou que larguei de vez o blogue. Apenas (já sei agora que é cara Nonô) resolvi dar uma pausa, como a gente faz nos filmes a tentar entender o enredo. O que não se pode é perder o foco da "função" do espaço.

Daqui a pouco tudo retorna. Já estou bem mais... bem menos... bem mais (mesmo) equilibrado. Ou como diria um amigo, a citar um provérbio budista: temos de saber os nossos objetivos e qual caminho leva até eles; mas esquecer esse caminho. Algo assim...

Obrigado pela participação e por estimular ainda mais a curiosidade!

Luciana Lopes disse...

Gustavo:
como vou poder assumir que sou sua fã sem ter as suas palavras por perto?
Você esta tão longeeeeeeeeeeeeee e o seu blog nada mais é que uma maneira de aproximar, de fazer rir e chorar e claro, de acompanhar Portugal através do que escreves.
Continue a escrever, continue com o blog, continue a nos mostrar que no triste pode ter algo de belo.
EU TAMBÉM QUERIA PAUSAR MUITAS COISAS MAS............sei que tenho que continuar.
Abraços.

Gustavo Jaime disse...

"A maioria das pessoas imagina que o importante, no diálogo, é a palavra. Engano, e repito: o importante é a pausa. É na pausa que duas pessoas se entendem e entram em comunhão."

(As minhas duas pessoas precisam entrar em comunhão. E à propósito, é Nelson Rodrigues aí acima)

(As minhas duas pessoas já estão a entrar em comunhão, na verdade)

(Volto logo. Não se apressem. E obrigado pelo carinho de ambas)