quarta-feira, 8 de julho de 2009

Existir!


O mundo continua a girar, e me dei conta como tudo é passageiro demais para a gente se importar. Nada – nada mesmo! – é definitivo. Troco o ponto final por reticências, vírgulas, interrogações. Justamente por saber que vitórias e derrotas são inventos do homem.

Como perdi de vista uma lição tão fundamental? Aos poucos, retomo o valor da calma, a leveza do alinhamento, a nobreza da sensibilidade. E caminho novamente seguro de meus passos, com um sorriso contemplativo que não se mostra e a plena convicção da incerteza.

Coleciono contos (mais nada) e divido com quem me toca (numa troca). Então, timidamente, redefino o destino sem medo de deixar-me levar. O estar é temporário. A dor é combustível. A coragem é descoberta.

A cada badalada, (re)aproximo-me do maior bem da vida. Que é existir.

2 comentários:

Anônimo disse...

Existir e partilhar a existência. O que me deixa muito feliz!!!

Luciana Lopes disse...

O melhor é realmente saber que as coisa são imutáveis e que nada estara amanhã da mesma forma que encontramos hoje.
Abraços.