quinta-feira, 25 de junho de 2009

Virar cinzas...

Ela veio silenciosa e disse baixinho no meu ouvido:
- Sabes que terá de conviver agora com a sua mais solitária solidão?

Talvez tenha se esquecido que já suportei uma vez. Estou preparado para encarar o vazio sem medo. Já enchi a despensa de paciência, ternura, papel e caneta. Sei que vou ater-me à escrita e que a escrita vai ater-se a mim.

Ela não está muito convencida de que conseguirei. A consciência, por vezes, é mesmo uma teimosa anciã - que não escuta, só fala.

"Como tornar-se outro se primeiro você não virar cinzas?"
(Nietzsche)

Nenhum comentário: