domingo, 28 de junho de 2009

Pedacinho de Floripa em Portugal

Vamos voltar às crónicas... ops!... crônicas de desbravamento, numa espécie de Pero Vaz de Caminha ao inverso. Pois ontem conheci a praia mais porreira... ops!... maneira de Portugal: a Praia do Guincho.

Ainda não percebi... ops!... entendi muito bem onde ela está situada. Encontrei um amigo (o italiano) no Estoril e seguimos de pão de forma... ops!... Smart em direção a Cascais, no rumo de Sintra. Sabe-se lá em que região especificamente.

Na verdade, a localização importa pouco. Ou quase nada. O Google se encarrega dessas cenas... ops!... coisas lógicas. A minha competência é mágica. Se admiro as pessoas com essa inclinação, o que dizer dos sítios... ops!... lugares. A Praia do Guincho é um pedacinho de Florianópolis em Portugal.

Desculpem a comparação parva... ops!... besta. Pensei bastante antes de relacionar ambos. Mas há um certo louvor mútuo aí. Porque se cada vez sinto-me mais português, pá!, não esqueço que também sou um manézinho adotivo.

Então misturar as histórias, imaginar-me na Ilha e escutar um bocadinho do sotaque patrício, mergulhar na água cristalina – lindíssima! – e lembrar da Praia do Matadeiro, reanimar paixões e devaneios, esperanças e sorrisos... tudo isso é daquelas tenras surpresas que a vida nos oferece.

E a gente só absorve quando abre os poros da alma.

***

Por falar em absorver, fui absorvido pela música nesses últimos dias. Nando Reis é o protagonista da minha trilha sonora, mas também ouço muito a serenidade de Jack Johnson, a irreverência de Kevin Johansen, a perspicácia dos Los Hermanos e a voz rouca da Lauryn Hill.

2 comentários:

Luciana Lopes disse...

Parece que você foi tragado mesmo por Portugal.
OBS:
O fundo musical não poderia estar melhor.
Beijos bem brasileiros.

Raquel Helena disse...

Que saudade da Praia do Matadeiro. Pela minha passagem por Floripa, foi a praia que mais gostei. Sei o motivo de você gostar tanto daquela praia!
Beijos grandes.