terça-feira, 12 de maio de 2009

Café, acomodação e positivismo

Com o café amargo e ainda muito quente, reflito sobre o mundo que me cerca. Já disse: nunca imaginei estar em Portugal, morar em Lisboa. Passaram-se sete meses e nem parece tanto.

As coisas acontecem mesmo num piscar. Tenho preguiça de levantar agora e ir buscar mais açúcar para o café. Espero-o esfriar. Mas dizia que as coisas acontecem de repente, não mais que de repente.

Queria mudar de emprego, trabalhar na minha área. A chance que surgiu desapareceu logo em seguida, então continuo a tirar café num centro comercial chique. Mas ainda não aprendi a adicionar a medida certa de pó quando faço o meu em casa.

Ao menos ando pelas ruas como se as dominasse. E o idioma e costumes já não são barreiras. Até viraram diversão. Eu apenas podia ter mais iniciativa – e é o que sempre me freou na vida... sou um acomodado, acreditem ou não.

Talvez um futuro menos amargo esteja próximo.

Ao menos bebi todo o café.

2 comentários:

Vanessa Amaral disse...

Acho que não chamaria de acomodação... pq muitas vezes na vida a gente precisa mesmo esperar. E saber esperar é importante, já que existe um ´sistema´ que vai muito além das nossas vontades...
beijos!!

Luciana Lopes disse...

Você é um ser aventureiro, mas tão aventureiro que algumas vezes não se ´dá conta disso.
Viva seu momento, tome seu café e continue escrevendo no blog. Assim você exercera sua profissao indiretamente ok?
Abraços.