quarta-feira, 1 de abril de 2009

Dono de casa

Sim, isto não é um diário. Quanto mais de bordo. Não, isto são apenas relatos. Nenhum com novidades. Escrevo o que quero, do jeito que imagino querer. Traço linhas mentais e não as descarrego na tela. Seleciono e escolho, junto e apresento, mesmo que tudo nasça do improviso.

Minha despretensão pacífica lembrou-se da subjetividade tenra do meu dia. Metade dele, para ser mais preciso (conto este pequeno conto às 15h46). Hoje cortei o cabelo com um jovem pernambucano. Conversei amenidades, e nos unimos pelo tema "surfe".

Havia acordado preguiçoso. Tomei uma caneca de café preto, comi duas fatias de pão e uma tigela de müesli com leite. Respondi a uns e-mails e parti para nadar. A escala no salão e depois cerca de 40 minutos na piscina. Saio revitalizado, leve, disposto.

Resolvi comprar-me um presente de aniversário. Há tempos namoro uma bermuda escura. Experimentei vários tamanhos e estilos, demorei alguns minutos na fila e paguei sem peso no bolso. O dinheiro é curto, mas justo. Desde cedo aprendi a valorizá-lo. "O cínico é o que sabe o preço de tudo e o valor de nada". (Wilde)

Já passei da fase de desgostar de cozinhar somente para mim. Superei esse juízo. Se preciso, crio, recrio ou copio. E quando estou na preparação, até mesmo esqueço das coisas. Hoje, fiz arroz integral com uma mistura muito boa. Para ser sincero, foi o prato que me motivou a contar este pequeno conto. Era carne vermelha, bacon, cogumelo, milho e outros legumes e verduras. Antes de ir à boca, ainda levava queijo ralado – que derretia. Uma delícia. Até mostra que me viro na cozinha.

São 15h59 e, agora, mereço um descanso. Antes, vou estender as roupas que terminaram de lavar. É tudo um bocado divertido...

2 comentários:

Vera disse...

E foste realmente cortar o cabelo ao barbeiro (barbeiro dá uma ideia de macho, coisa que não devia ser...).

O meu faria bem mais furor...

beijo fada do lar*

Raquel disse...

Hum, esse seu arroz me deu água na boca...
Beijos