sexta-feira, 27 de março de 2009

Em torno de algo

Sou de distintos e diversos sentimentos. Vontades e culpas que se misturam, sonhos e traumas que se engalfinham, certezas e dúvidas que andam lado a lado. “A hora do sim é o descuido do não”, diz a letra de uma música de Vinicius.

Minha trajetória está serena. Vez ou outra, apenas, sou arrebatado por questões existenciais e angústias do coração. Vivo a interpelar o destino das coisas, mesmo que tenha feito um pacto com esse destino: de não interpelá-lo. É inevitável que a gente, por mais que evite conflitos, não escape de todos.

Que seja interno. Que esteja além de mim. Às vezes o mundo é tão vago e as horas se arrastam, simplesmente. A gente não sabe bem o que sente ou se sente. E hoje acordei meio tonto com tudo, meio à procura do fundo. (Diante de histórias e presenças tão marcantes, Lisboa desenha mais um capítulo da minha jornada.)

O ritmo segue sem pressa, ou sem o anseio de cruzar a linha de chegada. Vale mais a caminhada que o término. Não importa se estamos na página 20 ou 200; o livro está sempre voltado para o final.

Um comentário:

Luciana Lopes disse...

Gu:
nossa..........que saudades de lê o seu blog.
Desculpe a minha ausencia mas o estudo se faz parte da minha atribulada rotina. Acho que por causa desse fato deixei de lado as boas coisas da vida mas sei que é temporario.
Daqui a 1 mês faço 22 anos e quero um presente ok?
Aceito um abraço virtual...........rsss.
Abraços eternos.
Lu