sexta-feira, 16 de janeiro de 2009

Devaneio insone

Acordei no meio da noite com anseio de viver. Tanta coisa que se passa, tantos adeuses e saudades, tantos amores e gostos, mais mil sensações que não consigo descrever. Pra que isso, afinal?

Respiro lentamente; doces lágrimas descem pela minha face rosada. Eu sinto, eu sinto, eu sinto. E o estômago embrulha de intensidade. Tenho vontade de abraçar o mundo com a inocência de uma criança. Coisas que vão e vêm, coisas que desaparecem, coisas que nem notamos... coisas tão próximas e tão longe.

Fecho os olhos. Aguço os ouvidos. Planto imaginação. Vivo, com prazer que aprendi a cultivar. Quero fazer o bem, sempre. É do meu ser. Adormeço com um sorriso – para amanhecer.

2 comentários:

Vanessa Amaral disse...

Basta pensar em sentir
Para sentir em pensar.
Meu coração faz sorrir
Meu coração a chorar.
Depois de parar de andar,
Depois de ficar e ir,
Hei de ser quem vai chegar
Para ser quem quer partir.

Viver é não conseguir.

(Fernando Pessoa)

Beijos

Vera disse...

...
Viva hoje!
Arrisque hoje!
Faça hoje!
Não se deixe morrer lentamente!
Não se esqueça de ser feliz!

Pablo Neruda

Beijo