sábado, 1 de novembro de 2008

Sobre o Voip, a faculdade e cerveja

Descobri o Voip e resolvi ligar para um bando de pessoas. Fiquei restrito à família e alguns grandes amigos de Brasília. Foi divertido ouvir a surpresa deles em receber uma chamada do outro lado do Atlântico. A tal tecnologia é mesmo uma coisa moderna.

Meu pai – participante assíduo do blogue e figura já prestes a ter um fã-clube, por conta de seus comentários sempre espirituosos – veio me indagar sobre a faculdade. “Como é? E as aulas?”. Fiz mea-culpa, afinal são tantos assuntos novos que o cotidiano acaba por ser negligenciado.

Para não limitar a dúvida tão-somente ao meu velho, que é professor universitário, a Janaína (colega de graduação no Ceub) já pediu, há tempos, fotos do campus. Puxa vida pessoal, tenho vergonha de sacar a máquina entre pombos e gente e agir como um turista japonês acadêmico. Vou ficar devendo os registros, mas acreditem na minha breve descrição.

A Faculdade de Ciências Sociais e Humanas da Universidade Nova de Lisboa é igual a qualquer uma brasileira. Sem pôr nem tirar. Os muros são pichados, as salas mal-acabadas, os estudantes “espaçosos” – ainda mais na Comunicação –, as fotocópias lotadas, a biblioteca aquém, o CA bagunçado e uns bichanos circulam no local. A diferença fundamental é que vendem cerveja na cantina. E isso é uma dádiva!

Duas situações banais para ilustrar: na quinta a aula terminou mais cedo porque a luz acabou. Apenas a luz do campus. Ficamos no escuro – o que até não foi tão ruim. No dia seguinte, chega a informação de que estávamos dispensados: o professor faltaria. Antecipei o fim de semana. Ou seja, qualquer semelhança com o Brasil não é mera coincidência.

Mas como sou partidário da frase «quem faz o curso é o aluno», costumo ir todo dia à faculdade. Sento num banco do pátio, saco um livro da mochila, abro minha cerveja e passo horas e horas a estudar...

Um comentário:

Joice disse...

Vc indicou e olha eu aqui!!!!hehhehe
Adorei o negócio da luz. Trabalho no centro universitário onde me formei(Unileste-MG) e na quarta-feira passada aconteceu justamente isso. A luz acabou no campus e fui embora pra casa às 21 qdo deveria ser às 23hs.rsrrsrsrsr Melhor q matar aula é poder fugir mais cedo do trabalho.rsrrsrsr.
bj