sexta-feira, 24 de outubro de 2008

Espaço em branco

Oras, eu devia escrever algo neste espaço em branco! Algo legítimo e original. As palavras que se escondem na pacata sexta-feira à noite tinham a obrigação de estar neste quarto. Mas sabe-se lá onde estão (talvez num lugar em que eu deveria estar também).

No entanto, às vezes o melhor mesmo é não comunicar, é não analisar, representar, interpretar. Pode ser aquilo que Alberto Caeiro disse: "Percebemos demais as cousas — eis o erro, a dúvida. O que existe transcende para mim o que julgo que existe."

Pronto. Simples como um espaço em branco.

Nenhum comentário: