quinta-feira, 25 de setembro de 2008

Para uma amiga

"Atravesso o presente de olhos vendados, mal podendo pressentir aquilo que estou vivendo. Só mais tarde, quando a venda é retirada, percebo o que foi vivido e compreendo o sentido do que se passou."
(Milan Kundera, de A Insustentável Leveza do Ser)

2 comentários:

Luiz Felipe Leal disse...

é como 'fotografia'.

somos todos um só chão de amarguras.



abraços.

Bembi disse...

que amiga?